Infertilidade masculina - Clínica Elo

Por Elo Clínica

Por muito tempo, as dificuldades que um casal enfrentava para ter filhos eram associadas a problemas reprodutivos da mulher. Após anos de estudos na área, foi constatado que a infertilidade por fator masculino é proporcional à infertilidade por fator feminino. Tendo isso em vista, tanto o homem quanto a mulher são encaminhados para exames diagnósticos diante do quadro de infertilidade conjugal.

O homem pode ficar infértil em decorrência de doenças, uso de alguns medicamentos, hormônios, influências do ambiente e até hábitos nocivos.

Em todos esses casos, podem ocorrer problemas, como a diminuição da concentração, motilidade e morfologia dos espermatozoides, podendo chegar até a azoospermia (ausência de espermatozoides – gametas masculinos – no sêmen). Pode haver também algum problema no transporte dos gametas, impedindo que os viáveis cheguem até o óvulo para fecundá-lo.

Os órgãos reprodutores do homem

O sistema reprodutor masculino é constituído por órgãos internos e externos que passam por um processo gradual de amadurecimento, com mais evidência no período da puberdade. Os órgãos que formam esse sistema são: pênis, testículos, uretra, próstata, epidídimo, canais deferentes e vesícula seminal.

Cada uma dessas estruturas tem importante função no processo reprodutivo: os testículos secretam testosterona e produzem os espermatozoides; os epidídimos armazenam os gametas durante seu processo de amadurecimento; os canais deferentes recebem o líquido produzido pela vesícula seminal e passam pela próstata, onde os líquidos seminal e prostático se misturam, constituindo o sêmen ou esperma; a uretra se conecta com a abertura peniana e serve de passagem para a eliminação do sêmen (ejaculação).

Qualquer alteração nas funções dos órgãos reprodutores, portanto, pode impactar a fertilidade do homem, como desequilíbrio hormonal, infecções, obstruções etc.

As causas da infertilidade por fator masculino

As funções reprodutivas do homem podem ser comprometidas por diversas doenças do trato genital. Além disso, determinados hábitos de vida e estímulos ambientais também se apresentam como fatores de risco para a infertilidade por fator masculino. Veja quais são as principais causas:

Doenças

Uma das doenças mais comumente associadas à infertilidade por fator masculino é a varicocele, caracterizada pelo surgimento de varizes na bolsa testicular. A dilatação das veias espermáticas pode criar um ambiente desfavorável para o processo de espermatogênese, resultando em baixa qualidade e quantidade insuficiente de espermatozoides.

Outro problema comum são os processos inflamatórios que acometem os órgãos reprodutores, como orquite, epididimite, uretrite e prostatite. Esses quadros são causados por bactérias presentes nas infecções urinárias ou nas infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) e podem formar obstruções que impedem a passagem dos espermatozoides.

Distúrbios hormonais também impactam a capacidade reprodutiva do homem, visto que os hormônios sexuais têm papel fundamental na espermatogênese. A produção de espermatozoides depende da ação conjunta dos hormônios hipofisários e testiculares — FSH e LH e testosterona. Portanto, desequilíbrios nos níveis dessas substâncias são preditivos de infertilidade.

Problemas que afetam a função sexual configuram mais uma causa de infertilidade por fator masculino. Exemplos são: redução da libido por alterações nos níveis de testosterona; disfunção erétil; ejaculação retrógrada; anormalidades na anatomia do órgão genital.

Além das condições clínicas mais comuns acima mencionadas, o homem também pode apresentar infertilidade devido a: alterações cromossômicas; disfunções do sistema imunológico; neoplasias e tratamentos oncológicos; desenvolvimento irregular dos testículos; uso prolongado de esteroides anabolizantes e outros medicamentos; traumas na bolsa testicular, vasectomia e demais cirurgias escrotais.

Causas ambientais e hábitos de vida

As doenças que afetam o sistema reprodutor masculino são apontadas como uma das principais causas de infertilidade. Mas há, ainda, outros fatores de risco para essa condição. Como causas específicas podemos apontar a exposição prolongada a produtos químicos e radiação. Da mesma forma, o aumento da temperatura na região testicular tem efeito prejudicial na produção ou na função dos gametas.

Por fim, alertamos que o estilo de vida tem forte influência sobre a capacidade reprodutiva masculina. Obesidade, sedentarismo, alcoolismo e tabagismo são exemplos de hábitos nocivos para o funcionamento dos órgãos reprodutores.

Os possíveis sintomas da infertilidade por fator masculino

A sintomatologia é relativa ao problema causador da infertilidade por fator masculino. Algumas condições são assintomáticas, enquanto outras, a exemplo das infecções, apresentam sintomas evidentes. Desse modo, o homem deve observar as seguintes manifestações:

  • inchaço nos testículos;
  • dor na bolsa testicular;
  • alterações no volume ejaculado;
  • redução do desejo sexual;
  • dificuldade de manter uma ereção;
  • alterações em outras partes do corpo, como crescimento do tecido mamário ou redução de pelos na face ou no corpo.

As formas de avaliação diagnóstica e tratamento

A investigação diagnóstica começa com o exame físico, com o objetivo de identificar sinais de doenças na bolsa testicular e na região peniana. Conforme os problemas detectados, em conjunto com os relatos sintomáticos do paciente, é feito o direcionamento para exames específicos. Os principais métodos diagnósticos são:

  • espermograma;
  • ultrassonografia da bolsa escrotal;
  • dosagem hormonal;
  • testes genéticos e teste de fragmentação do DNA espermático, quando necessário.

Cada caso de infertilidade por fator masculino recebe um prognóstico diferente, uma vez que existem situações brandas e outras que requerem técnicas mais elaboradas. A deficiência de hormônios sexuais, por exemplo, é tratada com reposição hormonal, assim como as disfunções sexuais são solucionadas com intervenção farmacológica.

Da mesma forma, as infecções precisam de antibióticos para interromper a ação dos agentes patogênicos. Já os procedimentos cirúrgicos ficam reservados aos casos de varicocele, obstrução dos canais deferentes e reversão de vasectomia.

A reprodução assistida no tratamento da infertilidade por fator masculino

Os tratamentos de reprodução assistida são indicados para os casos não solucionados pelos tratamentos convencionais. Nesse contexto, a fertilização in vitro (FIV) com injeção intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI) se destaca como o recurso terapêutico mais eficaz nos casos de infertilidade por fator masculino.

Na FIV com ICSI, os espermatozoides podem ser obtidos por meio de procedimentos de recuperação espermática — PESA, MESA, TESE e Micro-TESE —, técnicas que permitem a coleta dos gametas diretamente dos testículos ou do epidídimo. Depois disso, os espermatozoides de melhor qualidade são injetados no citoplasma dos óvulos para aumentar as chances de fertilização.

Em casos extremos, quando os espermatozoides do paciente não podem ser utilizados no processo de fertilização, o casal ainda pode obter uma gravidez com outra técnica da reprodução assistida, a doação de sêmen.